Os desafios do contact center na Lei de Proteção de Dados

Os desafios do contact center na Lei de Proteção de Dados
Diretor financeiro - Eduardo Santana Moura

A revolução digital fez surgir uma nova forma de relacionamento entre os consumidores e as empresas. O uso de aplicativos de mensagens expandiu-se de tal forma que se tornou um recurso essencial para o cliente. Porém, a expansão, assim como a facilidade das tecnologias de contato móveis, acarreta em preocupações relacionadas à proteção dos dados pessoais. Dentro desse cenário, um dos temas mais importantes na atualidade, quando nos referimos a troca de informações, é a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). 
Os contact centers deverão criar estratégias para estar em compliance com a LGPD, bem como estruturar formas de trabalhar o consentimento dos titulares dos dados.
Além disto, deverá haver também a aderência das normas de proteção de dados por parte dos Tomadores de Serviços, que na maioria dos casos, serão considerados como controladores de dados.
A Callink entende que com boas práticas de segurança da informação e usando o mínimo de dados possíveis para garantir a finalidade da atividade comercial da empresa, é uma forma assertiva para usar estes dados, garantindo a confidencialidade das informações trocadas, assegurando a efetividade dos direitos dos titulares de dados, bem como mantendo na base de dados segura. No mais, o CDC – Código de Defesa do Consumidor não perderá sua eficácia, devendo ser criteriosamente seguido.
Para o diretor financeiro da Callink; Eduardo Santana Moura, o primeiro passo adotado pela Callink foi trabalhar a cultura corporativa de proteção de dados. “De nada adianta construir uma equipe multidisciplinar em relação ao tema “LGPD” e não fomentar a cultura da proteção de dados internamente”. Posteriormente, realizamos o mapeamento de dados, reestruturação de políticas internas, contratos comerciais, contratos de prestação de serviços, dentre outros” destaca o diretor.
Os desafios de adequar o planejamento de ambientes tecnológicos aos requisitos da LGPD são grandes, com certeza. Mas estar dentro das normas, com regras claras sobre como a empresa está realizando a coleta, armazenamento, tratamento e compartilhamento de dados pessoais é uma oportunidade de competitividade, atraindo e ganhando a confiança dos clientes.